Empreender… Em Braga.

O ‘empreendedorismo’ tem vindo a ser considerado por muita gente como a cura para todas as doenças do país. Em Portugal o termo ‘empreendedorismo’ é muitas vezes visto como um cliché. Ser empreendedor tornou-se sexy, uma moda e, se pensarmos bem, esta moda-tendência-generalização tem provocado o seu desgaste, levando a que muitas vezes o termo ‘empreendedorismo’ seja um verdadeiro saco de pancada.

Na verdade, apoiar o ‘empreendedorismo’ não é resposta para todos os problemas da nação, mas pode ajudar a resolver alguns. O apoio dado pelo governo português aos empreendedores esteve recentemente em destaque na revista Forbes, que destacou também a Portugal Ventures pelo “contínuo investimento em empresas inovadoras com base científica e tecnológica e em projetos no setor do turismo e da expansão internacional.”

A uma escala mais “regional” podemos observar a título de exemplo a cidade de Braga, cidade sobre a qual escrevi os próximos parágrafos – sem querer de todo desvalorizar a importância de cidades como Porto, Lisboa ou Coimbra, que também têm tido um papel importantíssimo na promoção do empreendedorismo e da inovação.

Braga assume-se como uma cidade que apresenta excelentes condições para quem pretende criar/desenvolver uma empresa (especialmente se for tecnológica). Ficando a pouco mais de 30 minutos do aeroporto Francisco Sá Carneiro e possuindo excelentes acessos, Braga acolheu o INL – International Iberian Nanotechnology Laboratory – único instituto internacional do mundo inteiramente dedicado à nanotecnologia. Ao lado, encontramos a Universidade do Minho que tem recebido inúmeras distinções por apoiar projetos de investigação e dela têm saído spin offs de sucesso.

Desta rede fazem ainda parte entidades como a TECMinho, que faz a ligação entre a Universidade, a sociedade e as empresas, ou o Liftoff – Gabinete do Empreendedor da AAUM, cujo objetivo é criar aos estudantes condições que facilitem a transformação de conhecimento em ideias de negócio.

Ainda atores importantes que se destacam na cidade de Braga temos o BICMINHO (Business and Innovation Centre do Minho), destinado a apoiar a criação/modernização de PME inovadoras e a AIMinho – Associação Empresarial, mais vocacionada para o apoio/prestação de serviços às empresas.

Com um papel cada vez mais importante tem estado a InvestBraga – Agência de Dinamização Económica – criada para promover o desenvolvimento económico da região através da atração de investimento e de empreendedores e de três das suas valências: o Espaço do Investidor, que pretende agilizar ao máximo a criação de condições para investimento); o GeoPortal, recentemente criado e que dá uma ajuda mo processo de escolha para implementação de um negócio recorrendo à georeferênciação; e a Startup Braga, desenhada para apoiar startups tecnológicas através de programas de aceleração e incubação e que apoia neste momento mais de 50 startups.

Após esta análise e em jeito de conclusão resta-me questionar: como evoluirá a cidade de Braga daqui para a frente?

Rui Pinheiro

Rui Pinheiro tem organizado vários eventos na área da motivação pessoal e do empreendedorismo. Acreditando que as oportunidades se constroem, fundou o empreendedor bracarense, um site dedicado a divulgar os empreendedores da cidade de Braga e o projeto DishKids - empreendedorismo infantil. É sócio-fundador do projeto Escola da Terra, trabalha atualmente na Startup Braga.

More Posts - Website - Twitter - Facebook - LinkedIn

Author: Rui Pinheiro

Rui Pinheiro tem organizado vários eventos na área da motivação pessoal e do empreendedorismo. Acreditando que as oportunidades se constroem, fundou o empreendedor bracarense, um site dedicado a divulgar os empreendedores da cidade de Braga e o projeto DishKids - empreendedorismo infantil. É sócio-fundador do projeto Escola da Terra, trabalha atualmente na Startup Braga.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *