A importância de sermos diferentes

Here’s to the crazy ones. The misfits. The rebels. The troublemakers. The round pegs in the square holes. The ones who see things differently. They’re not fond of rules. And they have no respect for the status quo. You can quote them, disagree with them, glorify or vilify them. About the only thing you can’t do is ignore them. Because they change things. They push the human race forward. And while some may see them as the crazy ones, we see genius. Because the people who are crazy enough to think they can change the world, are the ones who do.

by Apple

Eu pessoalmente adoro este spot publicitário da Apple. É interessante vermos como são aqueles que são considerados “loucos” que mais contribuem para a evolução do mundo. Em qualquer área, seja ela a física ou a química, a engenharia ou a astrofísica, a economia ou a gestão, são precisas pessoas com a capacidade de enfrentarem o estabelecido e mudarem o status quo.

No entanto, passamos grande parte da nossa vida a sermos empurrados para a homogeneização. É muito mais fácil para a sociedade em geral estabelecer uma sociedade sem desvios, totalmente homogénia em que nada sai do estipulado, do que permitir às pessoas a expressão livre do seu pensamento e emoções. Obviamente, que existem limites a esta liberdade, mas também é obvio que nos primeiros anos de vida a maior parte das crianças e jovens perdem a curiosidade natural pelas coisas, a vontade de saber mais e fazer diferente, para se acomodarem ao que lhes é dito e ensinado.

Remar contra a corrente é complicado, é normalmente uma tarefa solitária e muitas vezes um esforço inglório. Mas hoje o mercado de trabalho exige algo mais. Exige mais audácia, mas criatividade, mas acima de tudo exige pessoas capazes de acrescentar valor à empresa. Vamos ser sinceros. Quando uma pessoa acaba o curso e a única coisa que fez foi o curso que valor pode acrescentar à empresa? Até pode ser muito bom aluno, mas se não tem qualquer experiência, a mais-valia para a empresa é muito baixa. Assim, é exigido aos jovens de hoje que mantenham a vontade de saber mais e a vontade de fazer coisas novas e diferentes sempre presentes.

Mais do que talento, conhecimentos precisamos de pessoas com vontade de fazer. Com vontade de fazer coisas diferentes. Existem pessoas com 18 anos que já venderam empresas por vários milhões de euros, outros estão a lutar pelos direitos de outros, outros estão a dar o seu contribuito por um mundo melhor e outros estão a estudar para serem os melhores da sua área.  Caminhos alternativos são caminhos difíceis, são caminhos incompreendidos pela maioria e requerem um maior comprometimento pessoal e motivação. Somos muitas vezes pressionados a seguir determinadas fórmulas de sucesso, fórmulas essas que já foram anteriormente testadas e que tiveram bons resultados. Mas existem caminhos por explorar. Nem todos temos que ser médicos ou consultores ou engenheiros. O que temos é que encontrar o nosso lugar no mundo, lutar por ele e sermos capazes de aprender com os nossos erros.

Eu estou a seguir o meu próprio caminho alternativo. Não optei por um corte radical com o status quo, mas optei por um caminho que me realiza e que acredito me vai permitir alcançar os meus objectivos.

E vocês, estão satisfeitos com o caminho que estão a seguir? Estão no caminho que querem ou no caminho que vos foi imposto?


Inês Santos Silva

Co-fundadora e Chief Pirate Officer no Startup Pirates.

More Posts - Website - Twitter

Author: Inês Santos Silva

Co-fundadora e Chief Pirate Officer no Startup Pirates.

2 Replies to “A importância de sermos diferentes”

  1. Parabéns pelo texto.. está mesmo muito bom.
    Já agoro deixo uma sugestão: recomendação de livros. Deixo já duas sugestões ambas do The Domino Project: Poke the Box (Seth Godin)  e Do The Work (Steven Pressfield)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *