Entrevista à “CarvoTeam”

Equipa do projecto CBC-CarBuCida conta-nos como foi participar no Arrisca Coimbra ‘10

 

1. Como surgiu a ideia de negócio que submeteram ao concurso Arrisca Coimbra’10?

A ideia de negócio CBC-CarBuCida da CarvoTeam surgiu devido à necessidade emergente do mercado em encontrar um produto eficaz que permita controlar o nemátode do pinheiro (NMP).

A importância económica causada pela dispersão do NMP por novas áreas florestais no território nacional reforça o interesse pelo desenvolvimento de novos meios de controlo que deverão ser selectivos e ecologicamente inócuos. Por outro lado, o tratamento com nematodicidas de aplicação tradicional torna-se difícil de implementar, devido à fraca viabilidade económica ao nível da floresta, para além de ser altamente prejudicial para o ambiente. Actualmente, a solução adoptada pelas entidades competentes no controlo do NMP ao nível florestal resume-se ao abate e destruição in situ das árvores afectadas. Relativamente a madeira destinada à exportação, nomeadamente paletes, o tratamento térmico utilizado torna-se extremamente dispendioso e não totalmente eficaz.

A ideia de negócio consiste na elaboração de um novo nematodicida biológico – “CBC‑CarBuCida” – capaz de garantir o controlo do NMP, de forma economicamente viável, para a fileira da indústria da madeira e sector mobiliário.

2. O que as levou a participar no Arrisca Coimbra’10?

A CarvoTeam decidiu participar no Arrisca Coimbra’10, com o intuito de adquirir fontes de financiamento que permitissem desenvolver a ideia de negócio para além de facilitar a criação de uma nova empresa que incremente a empregabilidade, tendo em conta a crise financeira nacional.

3. Como decorreu todo o processo?

O processo de candidatura foi desenvolvido com relativa facilidade, devido à equipa possuir um background consistente acerca da problemática que levou ao desenvolvimento da ideia de negócio.

A apresentação oral foi intimidante, devido à imponência da sala onde ocorreu, à pressão induzida pela existência do cronómetro, assim como pela presença de numerosos elementos do júri.

A sessão de entrega de prémios decorreu dentro da normalidade tendo sido agradável o porto de honra que proporcionou o contacto com elementos de outras equipas.

4. Que prémios ganharam e o que vão fazer com ele?

A equipa ganhou o prémio GAPI 2.0 (5.000 euros) e o prémio Caixa Geral de Depósitos (1.000 euros). Com este montante a equipa pretende investir no desenvolvimento da ideia de negócio.

5. Quais são os próximos passos para o desenvolvimento da vossa ideia de negócio?

A equipa pretende criar uma nova empresa, para desenvolver actividades ligadas à ideia de negócio apresentada assim como desenvolver novas ideias/produtos.

Miguel Dias Gonçalves

Gestor de Projetos na Divisão de Inovação e Transferências do Saber da Universidade de Coimbra

More Posts - Website - LinkedIn

Author: Miguel Dias Gonçalves

Gestor de Projetos na Divisão de Inovação e Transferências do Saber da Universidade de Coimbra

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *