>

Entrevista à equipa “Exa4Life”

Equipa do projecto “Exa4LIFE” conta-nos como foi participar no Arrisca Coimbra ‘10

1. Como surgiu a ideia de negócio que submeteram ao concurso Arrisca Coimbra’10?

O factor demográfico associado ao envelhecimento da população mundial tem desenvolvido um crescente interesse no âmbito da reabilitação geriátrica – referimo-nos à Medicina Física e Reabilitação – e, neste âmbito, segundo o INE cerca de 18% da população portuguesa em 2009 tinha mais de 65 anos, inclusive. Além disso, mais de 15% da população europeia tem vindo a procurar esta especialidade médica. Por este motivo, a Exa4Life identificou-a como uma potencial área de mercado, pretendendo nela investir.
Deste modo, a Exa4Life criou um dispositivo para potenciar a administração transdérmica de fármacos, apoiando desta forma o combate a patologias associadas a este factor demográfico. Sendo que esta técnica terapêutica não se restringe a patologias associadas ao envelhecimento, podendo ser usada nas diversas faixas etárias. Esta técnica é tipicamente usada como anti-inflamatória ou analgésica.
Este sistema foi concebido para a realização da iontoforese, técnica que designa um meio não invasivo de administração transdérmica de fármacos.
O protótipo desenvolvido deste produto apresenta um LCD com dimensões consideráveis, o que permite a exposição dos menus de uma forma intuitiva com facilidade acrescida de ser touch, possibilitando por sua vez um acesso rápido e fácil aos menus.
Outro aspecto positivo relaciona-se com o facto de possuir dois canais independentes, possibilitando a aplicação de tratamentos distintos em dois pacientes em simultâneo ou em duas zonas distintas do mesmo paciente.

2. O que os levou a participar no Arrisca Coimbra’10?

O espírito empreendedor e a procura de visibilidade são constantes da equipa Exa4Life. Como tal, identificamos no Concurso Arrisca Coimbra não só estas características, mas também outras oportunidades como: financiamento, networking, melhoramento das soft skills dos membros da equipa participantes nas fases do concurso, ligação a outros eventos empreendedores, etc.

3. Como decorreu todo o processo?

O preenchimento da candidatura foi um processo relativamente fácil, uma vez que a equipa se uniu e realizou muito brainstorming para o preenchimento desta em conjunto.
A apresentação oral foi realizada com os nervos naturalmente característicos de uma situação na qual temos que mostrar confiança aos júris e defender a nossa ideia como apresentando viabilidade económica, sendo tudo isto feito em 5 minutos. Porém, foi uma apresentação realizada com sucesso, tendo o tempo estipulado para esta sido cumprido ainda com alguns segundos restantes dos 5 minutos. Sentimos que a defesa da nossa ideia de negócio foi uma defesa sólida e coerente porque é uma ideia já bem amadurecida e estruturada.
A sessão de entrega de prémios foi a fase mais gratificante, uma vez que, se tratou de uma cerimónia bem organizada e agradável e, recebemos os dois melhores prémios. Portanto, foi a fase de menor pressão do concurso e, o culminar de uma experiência muito enriquecedora quer a nível pessoal e também profissional.

4. Que prémios ganharam e o que vão fazer com ele?

Ganhamos os dois prémios de valor mais elevado, sendo estes: o prémio “Igualdade” atribuído pela Secretaria de Estado da Igualdade e Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior no valor de 4000€ e, o prémio “InovCapital”, pela InovCapital, de 5000€ para constituição do Capital Social da startup que a equipa formará (sendo o prazo para formação desta até 31 de Dezembro de 2011).
Com os prémios vamos apostar na constituição do plano de marketing para a Exa4Life se dar a conhecer e entrar no mercado nacional a curto-prazo e, muito possivelmente, formar a startup.

5. Quais são os próximos passos para o desenvolvimento da vossa ideia de negócio?

Os próximos passos para o desenvolvimento da ideia de negócio são:
– Conseguir a realização de ensaios clínicos para o nosso dispositivo médico;
– Estabelecer contacto com os nossos potenciais clientes para criação de oportunidades de negócios;
– Produzir mais equipamentos, uma vez que, actualmente só existe o produto em fase protótipo.

Miguel Dias Gonçalves

Gestor de Projetos na Divisão de Inovação e Transferências do Saber da Universidade de Coimbra

More Posts - Website - LinkedIn

Partilhe:

28 Março 2011 | Miguel Dias Gonçalves