>

O Príncipe e o Principezinho

Se alguém me perguntasse quais as características que podem definir o empreendedor bem-sucedido eu responder-lhe-ia com os títulos de duas obras literárias: O Príncipe de Maquiavel e O Principezinho de...

Se alguém me perguntasse quais as características que podem definir o empreendedor bem-sucedido eu responder-lhe-ia com os títulos de duas obras literárias: O Príncipe de Maquiavel e O Principezinho de Saint-Exupéry. Eu explico:

Vivemos num mundo cada vez mais intransigente e intolerante ao fracasso (e à fraqueza), um mundo onde “não há almoços grátis” e onde “tempo é dinheiro”. Os gestores mais bem-sucedidos são exímios estrategas e, no sentido lato da palavra, políticos competentes; tratam-se de pessoas frias, ponderadas e com uma capacidade de decisão rápida e eficaz, tendo em conta todas possíveis jogadas deste xadrez à escala global. No entanto, apesar desta aparente frieza maquiavélica instalada, há outros factores na equação. As aventuras na qual um empreendedor se lança não são apenas jogadas, há também paixão, entusiasmo e muita força de vontade. Há também bondade e espontaneidade, pelo menos naqueles que considero serem os verdadeiros vencedores destas demandas.

Veja-se que as empresas mais bem-sucedidas são aquelas lideradas pelas pessoas mais carismáticas e onde as políticas laborais são mais employee-friendly. Por outro lado, sabemos que as relações pessoais são o alicerce da maioria dos casos de sucesso: recordo friends, family and fools. É também óptimo para um cliente ter um fornecedor preocupado e interessado – marketing básico, certamente, mas embora as boas intenções sejam simuláveis, as boas acções não o são. O conforto e a segurança são necessidades inerentes ao ser humano e só um líder espontâneo e carismático transmite naturalmente essas sensações, tanto a clientes, como a parceiros e colaboradores.

Introduzi por fim a palavra-chave: líder. O mundo está cheio de bons gestores, mas os verdadeiros casos de sucesso estão nos líderes – e um líder, a meu ver, tem tanto de Príncipe como tem de Principezinho. São estes vencedores que inspiram e moralizam equipas inteiras, por vezes apenas com a sua simples presença, e são eles que vêm óptimas ideias em prática mesmo antes de terem sugerido a sua execução. E como tempo é dinheiro… Esta compreensão mais humana das engrenagens de uma organização é fundamental, e quando feita calma e friamente por alguém que tem também sensibilidade para compreender o verdadeiro capital de uma empresa – o capital humano – então os todas as peças estão alinhadas para um resultado favorável.

Partilhe:

4 Fevereiro 2010 | Administrador